Um novo respiro para a remanescente de Mata Atlântica que fica no município de Capela, na região Leste do estado. O Refúgio da Vida Silvestre Mata do Junco, morada do famoso macaco Guigó, espécie ameaçada de extinção, vai receber novos plantios de mudas nativas da Mata Atlântica, além de educação ambiental nas comunidades e escolas do entorno da unidade, levando para as crianças e agricultores a importância da preservação da unidade para manutenção de suas nascentes, como também espécies raras da Mata Atlântica.

A decisão saiu de uma reunião entre técnicos da Superintendência Especial de recursos Hidrícos e Meio Ambiente (Serhma) e da Companhia Hidrelétrica do São Francisco (Chesf) para tratar da retomada do projeto de reflorestamento da área entre outras ações ambientais. Uma compensação ambiental que a companhia hidrelétrica faz na região por ter desmatado uma área de Mata Atlântica após a construção da linha de transmissão de energia da Chesf, que passa pela unidade de conservação. “A compensação florestal promovida pela Chesf iniciou-se em 2015, sendo referente a multa ambiental gerada pelo desmatamento de um fragmento de Mata Atlântica na linha de transmissão 230 (Jardim Penedo). No acordo foi feita a doação de uma caminhonete e uma moto, para ajudar na administração da unidade de conservação”, explica o gestor da unidade, Marcos Domingos de Santana. 

A etapa de reflorestamento teve início em 2015, com 10 hectares, em duas localidades da Mata do Junco, sendo uma na Agrovila Santo Antônio e a outra no Miranda, com o plantio de 20.000 mudas de espécies nativas da Mata Atlântica, com o prazo de dois anos para o plantio. Nesta fase o projeto prevê ações de continuidade para a preservação. “Foi retomada agora em 2020 a parceria com a CHESF com o intuito de dar manutenção e reposição das mudas que morreram na primeira etapa. A segunda etapa inclui ainda educação ambiental, levando para as crianças e agricultores a importância de manter vida a flora da unidade para manutenção de suas nascentes, como também a fauna, com a preservação de espécies raras da Mata Atlântica”, completa Marcos Domingos.

Refúgio de Vida Silvestre Mata do Juco

O Refúgio de Vida Silvestre Mata do Junco (RVS), localizada em Capela foi criada pelo decreto n° 24.944 de 26 de dezembro de 2007. O refúgio possui uma área de 894,76 hectares e -se entres os rios Japaratuba e Siriri, sendo o segundo maior fragmento de Mata Atlântica de Sergipe.

O RVS tem como objetivo proteger ambientes naturais onde se asseguram condições para a existência ou reprodução de espécies ou comunidades da flora local e da fauna residente ou migratória.

Fotos



Atualizado: