Profissionais de apoio técnico ambiental do Refúgio de Vida Silvestre Mata do Junco (RVSMJ), localizado no município de Capela, no Território Leste Sergipano, devolveram uma iguana (iguana iguana) ao seu habitat.

Resgatada há uma semana por moradores do Povoado São José, no município, o réptil foi entregue à equipe ambiental da Mata do Junco, que, após a avaliação, constatou tratar-se de uma fêmea em período de gestação, mas que não apresentava nenhum problema de saúde, estando apta para a soltura.

Pertencente à família Iguanidae, as espécies desse gênero são encontradas facilmente em regiões tropicais da América Central, América do Sul e Caribe, sendo que, no Brasil, é mais comum encontrarmos a Iguana-verde. De hábitos arborícolas, elas vivem em árvores, se alimentam de frutas e insetos e podem atingir até 1,80 metros, sendo que sua calda possui dois terços do comprimento do corpo.

Segundo o profissional de apoio ambiental do RVSMJ, Marcelo José Silva, mas conhecido com Marcelo Guigó, a devolução do animal é fruto do trabalho desenvolvido com a população das imediações da Mata do Junco. “Realizamos durante vários meses um processo de educação ambiental com moradores de todas as faixas etárias que residem nas proximidades do refúgio de vida silvestre, a fim de que eles entendessem que o lugar dos animais é na natureza. Os ensinamentos foram bem assimilados, e, de um certo tempo para cá, qualquer espécie encontrada por eles fora da mata, é capturada e entregue à nossa equipe, que após fazer a avaliação e encaminhar para cuidados específicos quando necessários, os devolvem ao lar de origem”, explica.
 
A Mata do Junco

Situado no município de Capela, o Refúgio de Vida Silvestre Mata do Junco, foi criado por meio de Decreto em dezembro de 2007, com o objetivo de proteger e preservar a Mata Atlântica, sobretudo as nascentes do Riacho Lagartixo e o macaco guigó (Callicebus coimbrai). Administrado pelo Governo de Sergipe, por meio da Superintendência Especial de Recursos Hídricos e Meio Ambiente (Serhma), o RVSMJ possui 894,76, é o segundo maior remanescente de Mata Atlântica em Sergipe, possui diversas espécies de fauna e flora, sendo um polo para pesquisas científicas, educação ambiental e ecoturismo.



Última atualização: 27 de novembro de 2020, 20:23 PM