A equipe da Administração Estadual do Meio Ambiente (Adema) atendeu um chamado de um condomínio residencial, localizado na capital sergipana, para fazer o resgate de uma cobra, uma salamanta macho, com 1,30 metros e pesando aproximadamente 5kg.

O réptil estava doente, com desidratação e foi levado para os cuidados necessários. Segundo o diretor-presidente da Adema, Gilvan Dias, foi realizada a avaliação clínica do animal. “ O réptil foi encaminhado para os cuidados médicos de uma equipe da Universidade Federal de Sergipe, mais precisamente para o professor Victor. Esse trabalho faz parte de uma parceria que a Adema tem com a UFS, na cidade de Nossa Senhora da Glória”, explicou. 

O presidente informou ainda que os procedimentos médicos realizados na cobra foram um sucesso. “A cobra passou por uma intervenção cirúrgica onde foi necessária a castração da mesma, e após tratamento e estabilidade será reintroduzida na natureza”, explicou.

Outros resgates

Foram resgatadas ainda mais duas cobras no fim de semana. Na sexta-feira, 24, foi resgatada uma jiboia, no município de Nossa Senhora do Socorro, e ontem, domingo, 26, também em Aracaju, em um condomínio residencial no Mosqueiro, foi resgatada outra cobra jiboia.

Gilvan Dias informou que tem sido constante os chamados para resgate de cobras em áreas residenciais de várias partes do estado. “Principalmente os répteis estão aparecendo com mais frequência devido ao tempo chuvoso, que destrói os ninhos e eles saem em busca de alimentos. São animais que não regulam a temperatura do seu corpo, dependendo do meio ambiente para isso, então vão a procura de calor em épocas mais frias, em busca de um habitat substituto e também de alimentos, isso é natural. Além das cobras, isso acontece também com jacarés e muitos outros répteis que acabam saindo do seu habitat natural”, apontou o presidente.

De primeiro de janeiro até julho deste ano a Adema resgatou e apreendeu 352 animais, sendo estes 187 de entrega voluntária e resgates. O médico veterinário da Adema, Daniel Allievi, explicou a importância desse trabalho acontecer mesmo em período de isolamento social. “Nosso trabalho é feito com muito cuidado, obedecendo as regras preconizadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e mesmo com a pandemia do Novo Coronavírus os resgates e apreensões de animais continuaram sendo realizadas diariamente, principalmente porque houve um aumento considerável no número de animais resgatados. Em razão da diminuição de pessoas e fluxo de carros no meio urbano, os animais se sentem mais seguros e acabam transitando com maior frequência na área urbana”, explicou.

A Adema orienta que ao encontrar algum animal silvestre, deve ligar para o número de plantão (79) 99191-5535. Uma equipe técnica composta por biólogos, zootecnistas e veterinários irá se deslocar até o local para efetuar o resgate, com todo cuidado e segurança. É importante que as pessoas saibam que não se deve manipular, nem tentar medicar ou alimentar nenhum animal.


Atualizado: